quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Humilde Felicidade

Vamos pra uma praça? Conheço uma bem tranqüila, praticamente inabitada, fica no meio do bairro. Costumo brincar dizendo que enterraram um Padre de bunda pra cima naquele lugar, por isso é amaldiçoado e todo mundo evita o local... as pessoas riem.



Tenho, ainda, em meu armário, um vinho qualquer, que ganhei numa dessas cestas básicas promocionais de Natal. Devo ter preenchido algum cuponzinho, e o Supermercado sorteou meu nome. Me lembro apenas do pote de champignon, que comi como se fosse pipoca!

Podemos ficar por lá, bebendo e falando sobre a TV. Falando sobre a vida alheia e sobre o mundo como está. Você aproveita e me conta sobre sua infância, e sobre os problemas que teve que enfrentar... só pra eu poder olhar pro seu rosto lindo e pensar: você conseguiu vencer, veja só, que belo rapaz.

Depois a gente pode voltar pra casa, mais tarde, quando nossas mãos não puderem mais se evitar. Quando o arrepio na nuca se tornar constante, apenas com um olhar. Vamos saber que estamos no ponto físico e emocional para nos encontrar... e nos perder.

Eu e você, nos aproximando assim, sutilmente, emocionalmente e fisicamente. Tenho certeza que dessa forma as coisas poderão acontecer. Não tenho muito o que oferecer, a não ser meu carinho sem tamanho e meu humor, quase sem valor. Meus bens são apenas minhas memórias, amigos e minha família. Quero que você possa ser feliz ao lado deles, como eu sou.

Me dê uma noite, quem sabe um pouco da manhã, um final de semana... que tal? Deixa eu te mostrar como as coisas podem ser diferentes no meu mundo. Não tenho beleza física, nem tenho carro, muito menos dinheiro, quiçá uma cama box king size... por isso só posso te oferecer felicidades.

E quando você já estiver cheio de tanta emoção, podemos nos entregar em carinhos e beijos. Descarregar em risos e devaneios. Até esgotarem os sorrisos, e sobrar apenas lágrimas boas de emoção... e um amor que não se pode comprar.

Um comentário:

Mila Lopes disse...

Lindo texto, perfeito!
Na verdade todos deviam dizer o que querem um do outro, assim seria mais facil...eu acho!

Bjs

Mila