segunda-feira, 25 de julho de 2011

Em mim



Quando ele chegou, no fim da tarde, abriu um largo sorriso... no meu rosto. De mansinho, jogou suas coisas sobre a cama, me abraçou com ternura e me beijou. Senti que o tempo e o medo correram pra fora da casa, como se respeitassem aquele momento. Foi como um insight, um instant, e eu me vi observando o branco do teto com aquela cara de bobo-feliz... enquanto ele beijava meus braços.

Na cozinha, no jantar, me escapavam as palavras, os assuntos, os medos e os pratos. Me vi tão nervoso e feliz, que de tudo fiz, sem saber o que. A distração da presença dele ao meu lado, me deixava tão “assim”, que por um momento minhas asas alçaram vôo só em sentir seu hálito fresco, seu beijo macio, e seu riso contente...

Quando a noite se abateu sobre nós, seu corpo se abateu sobre o meu, e tudo o que fosse ruim virou esperança nova. E de cada gesto, toque ou sabor, surgiram novos sentimentos, novos sentidos. Toquei o céu com o apelo de minha voz, o inferno com a profundidade de nosso pecado. E com o sabor da maçã de Eva nos lábios, dormimos.

Sonhei com os anjos.

Um comentário:

Pandumiel Tunmarë disse...

Quem sonha com anjos é porque está acompanhado por eles!
Gostei muito! `^^´

Beijos do Elfo!