segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Consternado

Teria tanta coisa pra dizer, tanto argumento pra fazer você entender. Mas sinceramente? Acho que cansei. Chegou num ponto em que simplesmente não tenho mais vontade de que você entenda, e tenho a impressão que simplesmente deixar as coisas assim, vai me fazer sofrer menos. Sim, estou sendo condescendente, conivente com o fato de que você faz o que quer e é como é.

Eu jamais vou te pedir que mude. Muito pelo contrario, meu plano era aprender a lidar com você e suas “normalidades”. Mas eu também pensei que você fosse fazer o mesmo, me perceber, e este “pensar” foi uma espada que eu apontei pro meu estômago. Me parece que quanto mais eu abraço a sua causa, menos você percebe qual é a minha. E agora estou aqui, chorando, outra vez...

A solidão é uma coisa estranha, pois ela nos faz ver coisas boas em situações que a gente não costuma ver. Talvez seja isso... não há sentimento, apenas solidão. Ou talvez haja algum sentimento, um pequeno, que não resiste a tanto orgulho e arrogância. Eu sei lá... sou tão emocional que as vezes penso que todas as pessoas podem ser. Mas talvez você seja diferente!

Pode ser que você seja aquele tipo de gente que repele o sentimento como se afastasse uma mosca. Blasé. Indiferente. Frieza. Julga tão dispensável o “sentir”, que simplesmente não sente. Ou pior, pode ser que eu não tenha sido suficiente. Pode ser que tudo isso que eu chamo de “tudo isso”, não passe de um “nada”... que não consegue te despertar coisa nenhuma.

O fato é que fico frustrado vendo você no meu pensamento, como se um dia tivesse existido de verdade ao meu lado. E choro feito criança que não consegue alcançar o pote no alto do armário. Uma criança que já levou tanto tombo tentando escalar a estante, que não quer mais arriscar, tem medo. E vai ficar sentadinha no chão, chorando, olhando pra cima, admirando e querendo, aquele maldito pote... Condescendente... Conivente...

Um comentário:

Pandumiel Tunmarë disse...

Mas eu sei bem como criança é teimosa, e todos sabemos que criança não tem senso de perigo!
Então, quando menos esperar, já parou de chorar e tá lá, pendurado na estante tentando denovo.

Pode ser, que não consiga agora...
Mas as crianças crescem e depois vc vai alcançar o pote, sem correr nenhum risco...