terça-feira, 24 de março de 2009

Ideologia, eu quis uma, não quero mais

Meu partido é um coração partido. Sua plataforma de governo é triste é cruel. Ele busca catalogar os machados, inscrever todas as serras elétricas num programa de identificação, de forma que mais corações não tenham que sofrer. Ele vai oferecer àqueles, que cujas ilusões [também] estão perdidas, uma forma de se curar, se endurecer. Uma nova era de corações de pedra vai nascer!

Os sonhos serão vendidos. Todos! E será tão barato e banal, que ninguém vai acreditar. Sonhos serão artigos dispensáveis, descartáveis, biodegradáveis. Serão jogados aos montes no fundo do oceano, Fosso das Marianas, de onde não possam sair jamais. Sem sonhos, sem dores, sem frustrações.

E aqueles garotos que pensam em mudar o mundo, passarão à freqüentar as festas do "Grand Monde"... E o seu tesão nunca deixará de oferecer risco de vida. O “sex and drugs” não terá nenhum “rock 'n' roll”. E neste dia, haverá o fim de todos os analistas, e ninguém mais terá que saber quem é. Será o tempo de assistir tudo em cima do muro.

E todos os heróis morrerão de overdose! Sem modelos, sem exemplos, para as futuras gerações. Um mundo livre de projeções de perfeição. Um mundo limpo de estereótipos a se seguir. Uma nova existência sem esperança ou guerra, apenas uma tediosa e melancólica paz. E nesse dia, os inimigos estarão no poder. E sem motivação, todos dirão: e daí?

Sem motivação, não haverá ideologia!

Eu quero uma pra viver...

2 comentários:

Da Silva disse...

Numa boa, eu preferia que meus heróis tivessem morrido de overdose. Hoje, meus heróis estão no poder e eu descobri que eles são iguaizinhos aos meus inimigos.

forte abraço!

Duas Caras disse...

não consigo viver sem uma ideologia...

acho que ela ajuda a nos fornecer significado (justiça social, mundo melhor e tals) , algo que muitas vezes encontramos na religião em um formato diferente (no fim tudo vai dar certo, seja bom e terás recompensa)

sem ideologia não existiria conflitos e nem motivo para viver..

a paz é relativa, um ciclo vicioso, quando estamos em paz buscamos o conflito

e quando estamos em conflito, buscamos a paz..

[que merda]